Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
A poesia é água cristalina, sacia a sede, alimenta o espírito. Já não posso mais dizer se ela quem me habita ou o contrário. Como explicar sobre? A escrita é uma lâmina afiada, um vulcão, ou apenas ilha de águas mornas, banha pés descalços... Nunca quis definir a poesia, melhor esquecer-se das explicações. Escrever passou a ser janela exposta, que por hora, mantêm-se aberta ao mundo de quem lê. *** Mineira/Paulistana/ Poeta, Escritora, Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão Empresarial. Laureada com o III Prêmio Canon de Literatura e Poesia em 2010. Márcia Christina Lio Magalhães é Sócia-Fundadora da Academia de Letras Juvenal Galeno, onde ocupa a Cadeira nº 10. Diretora de Relações Culturais da ALJUG. Membro da ACE - Associação Cearense de Escritores. Este Blog é dedicado a todos os amantes da poesia e que possamos através dela, unir horizontes, atravessar oceanos, iluminar os corações, alegrar os solitários, apaziguar a alma, multiplicar as amizades, eternizar as emoções. Sejam bem vindos!*** Livros Publicados: POETAR É PRECISO - 1° edição 2010 ** A PELE QUE HABITO - 1° edição 2013.

23 de jan de 2012

Numa Qualquer Manhã

Tu que me disseste fazer da escrita o óleo santo
Que cura feridas, pranto,
Segura as mãos...
Tolo Setembro,
Que vaga tardio por folhas secas
Que o vento leva sem pudor
Nunca soube nada de amor
Esse canto que acende versos...
O frio sol do esquecimento
É sombra persistente nas manhãs do tempo!
Nem flores de janelas
Nem vitrais
A boca escarnece os cafezais
Da dor...

(Márcia Christina Lio Magalhães)
Trechos do Poema

6 comentários:

  1. ...e olha que está incompleto amigo Assis.

    Imenso abraço!!

    Sempre feliz com tua presença por aqui...

    ResponderExcluir
  2. "Tolo Setembro,
    Que vaga tardio por folhas secas
    Que o vento leva sem pudor
    Nunca soube nada de amor
    Esse canto que acende versos..."

    Lindo, lindo!!

    Abraço!! Querida poetisa.

    Pedro Saulo

    ResponderExcluir
  3. Nossa que linguagem poética linda,tens um domínio notável dessa mesma linguagem que usas na escrita de tua poesia,quero dizer com isso que dominas com extrema habilidade a tua pena autoral.És uma escritora de mão cheia e isso não é elogio fácil,basta que alguém leia este teu texto para notar que tarimba e talento para a escrita literária poética não te falta,antes te sobra.E outra,eu não sou de elogiar a qualquer um.Beijos poéticos te mando,oh,brilhante poeta Mineira/Paulistana.

    PS: Depois quero que me expliques como alguém pode ser mineira e paulistana ao mesmo tempo,ok?rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Abraço renovado Pedro, que se diz Saulo... ;-)

    ResponderExcluir
  5. Primeiramente, obrigada pelas gentis palavras caro Elton, sê bem vindo a este cantinho, faz dele teu tbm e volta...

    Esse poema é inédito, tanto quanto extenso, faz parte do meu próximo Livro, aqui jaz só um pequeno trecho, feliz que gostou...

    Nasci em Minas Gerais, terra maravilhosa de boas pessoas, no fundo, sou uma caipira assumida...rsrs
    Mudei-me para São Paulo ainda menina, digo sempre que SP terminou de me criar... Agora ando dizendo, que sou uma Mineira/Paulistana que hoje está Cearense... ;-)

    Imenso abraço,

    ResponderExcluir

Olá, fico feliz que estejas aqui! Agradeço por deixar um aceno, uma palavra, um pontinho que seja da tua opinião.
Faz deste cantinho teu também e volta, sempre! Deixo um beijo, com sorriso... Márcia Magalhães