Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
A poesia é água cristalina, sacia a sede, alimenta o espírito. Já não posso mais dizer se ela quem me habita ou o contrário. Como explicar sobre? A escrita é uma lâmina afiada, um vulcão, ou apenas ilha de águas mornas, banha pés descalços... Nunca quis definir a poesia, melhor esquecer-se das explicações. Escrever passou a ser janela exposta, que por hora, mantêm-se aberta ao mundo de quem lê. *** Mineira/Paulistana/ Poeta, Escritora, Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão Empresarial. Laureada com o III Prêmio Canon de Literatura e Poesia em 2010. Márcia Christina Lio Magalhães é Sócia-Fundadora da Academia de Letras Juvenal Galeno, onde ocupa a Cadeira nº 10. Diretora de Relações Culturais da ALJUG. Membro da ACE - Associação Cearense de Escritores. Este Blog é dedicado a todos os amantes da poesia e que possamos através dela, unir horizontes, atravessar oceanos, iluminar os corações, alegrar os solitários, apaziguar a alma, multiplicar as amizades, eternizar as emoções. Sejam bem vindos!*** Livros Publicados: POETAR É PRECISO - 1° edição 2010 ** A PELE QUE HABITO - 1° edição 2013.

27 de fev de 2012

Insônia

Duas da madrugada 
Insônia da pele... 
Crava o relógio ponteiros incertos 
Chegadas, partidas, 
Olhos vagos... 

Negra noite, 
Só a brisa a escorrer invernos...
Véu na escuridão de ausências,
Céu petrificado! 
Horas mortas...

Ínfimo cálice,
Solitário na imensidão do corpo
Seca boca, 
Solidão das palavras,

A saudade, bebe-me em goles fartos!

(Márcia Christina Lio Magalhães)
Registro Biblioteca Nacional: 597.044

8 comentários:

  1. "A saudade é um grito parado no ar..."

    Bj amigo Assis,

    ResponderExcluir
  2. A solidão faz a poeta
    tecer o poema de pura
    madrugada
    bebendo no cálice
    da saudade
    os versos vão acalentando
    este coração noctivago
    vago
    em afagos e tragos
    de um um puro lirismo.

    Luiz Alfredo -poeta

    ResponderExcluir
  3. Acaso não é o poeta, um cálice que transborda?


    Feliz com teu aceno Luiz Alfredo - poeta!

    Um abraço,

    ResponderExcluir
  4. O cálice também é o poeta
    vazio
    sombrio
    embriagado da solidão
    dos tonéis
    do tempo em que os menestréis
    teciam na lira
    os doces poemas
    que alimentavam
    o luar e as estrelas
    o cálice cheio ou vazio
    nos diz muita coisa
    até para calarmos.

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  5. "O cálice cheio ou vazio
    nos diz muita coisa
    até para calarmos."

    Obrigada por partilhar conosco a tua poesia...

    ResponderExcluir
  6. a íntima linguagem da noite, por vezes tão próxima que quase assusta...
    beijinho, querida Márcia!

    ResponderExcluir
  7. Sim querida Andy, a noite têm seus mistérios.
    Há que sejam desvendados pelo poeta...

    Feliz em vê-la por aqui!!

    Deixo um beijo com sorriso...

    ResponderExcluir

Olá, fico feliz que estejas aqui! Agradeço por deixar um aceno, uma palavra, um pontinho que seja da tua opinião.
Faz deste cantinho teu também e volta, sempre! Deixo um beijo, com sorriso... Márcia Magalhães