Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
A poesia é água cristalina, sacia a sede, alimenta o espírito. Já não posso mais dizer se ela quem me habita ou o contrário. Como explicar sobre? A escrita é uma lâmina afiada, um vulcão, ou apenas ilha de águas mornas, banha pés descalços... Nunca quis definir a poesia, melhor esquecer-se das explicações. Escrever passou a ser janela exposta, que por hora, mantêm-se aberta ao mundo de quem lê. *** Mineira/Paulistana/ Poeta, Escritora, Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão Empresarial. Laureada com o III Prêmio Canon de Literatura e Poesia em 2010. Márcia Christina Lio Magalhães é Sócia-Fundadora da Academia de Letras Juvenal Galeno, onde ocupa a Cadeira nº 10. Diretora de Relações Culturais da ALJUG. Membro da ACE - Associação Cearense de Escritores. Este Blog é dedicado a todos os amantes da poesia e que possamos através dela, unir horizontes, atravessar oceanos, iluminar os corações, alegrar os solitários, apaziguar a alma, multiplicar as amizades, eternizar as emoções. Sejam bem vindos!*** Livros Publicados: POETAR É PRECISO - 1° edição 2010 ** A PELE QUE HABITO - 1° edição 2013.

20 de fev de 2010

Saudosa e inesquecível Cássia Eller...

3 comentários:

  1. Márcia,
    Trago-te lá do Canto Geral:

    CÁSSIA ACÚSTICA

    Quando eu tiver a minha canção,
    Ela jamais será cantada pela Cássia Eller.
    Por que eu não fui poeta antes, então?
    Antes de a Cássia partir, dezembro
    Agora só me resta o dia amanhecendo
    E poder ouvi-la nos versos de outro compositor,
    Com ciúmes e inveja tão nobres quanto eu tecendo
    A mesma trilha de um blues do Sergio Sampaio
    E ousar sonhar isto será pelo menos um plágio.

    Quando eu tiver a minha canção,
    Ela jamais será ouvida pela Cássia Eller.
    Por que eu não fui cantor antes, então?
    Depois que a Cássia partiu, janeiro
    Só me restou essa tristeza o ano inteiro
    E tecer a sílaba de um samba sem paixão nem dor,
    Cantar minha rima pobre como um falso desespero.
    Cássia fartou-se da vida feito da música, Vandré
    Mas deixou sua voz gravada na mais perfeita acústica.

    (Pedro Ramúcio/Samuel de Abreu)

    Amplexos mineiros...

    ResponderExcluir
  2. Pedro amigo, A.D.O.R.E.I!!

    Obrigada por compartilhar comigo um texto tão genial!

    abraço mineiro!

    ResponderExcluir

Olá, fico feliz que estejas aqui! Agradeço por deixar um aceno, uma palavra, um pontinho que seja da tua opinião.
Faz deste cantinho teu também e volta, sempre! Deixo um beijo, com sorriso... Márcia Magalhães