Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
A poesia é água cristalina, sacia a sede, alimenta o espírito. Já não posso mais dizer se ela quem me habita ou o contrário. Como explicar sobre? A escrita é uma lâmina afiada, um vulcão, ou apenas ilha de águas mornas, banha pés descalços... Nunca quis definir a poesia, melhor esquecer-se das explicações. Escrever passou a ser janela exposta, que por hora, mantêm-se aberta ao mundo de quem lê. *** Mineira/Paulistana/ Poeta, Escritora, Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão Empresarial. Laureada com o III Prêmio Canon de Literatura e Poesia em 2010. Márcia Christina Lio Magalhães é Sócia-Fundadora da Academia de Letras Juvenal Galeno, onde ocupa a Cadeira nº 10. Diretora de Relações Culturais da ALJUG. Membro da ACE - Associação Cearense de Escritores. Este Blog é dedicado a todos os amantes da poesia e que possamos através dela, unir horizontes, atravessar oceanos, iluminar os corações, alegrar os solitários, apaziguar a alma, multiplicar as amizades, eternizar as emoções. Sejam bem vindos!*** Livros Publicados: POETAR É PRECISO - 1° edição 2010 ** A PELE QUE HABITO - 1° edição 2013.

8 de jun de 2010

É preciso não dizer nada,
a porta aberta
a lágrima
ao sonho
a ilusão
a vida
a morte
ao chão de ferro
a dor
a saudade
ainda que se precise da eternidade
para esquecer...

(Márcia Christina Lio Magalhães - 07.2009)

8 comentários:

  1. a eternidade para esquecer...
    mas, é tanto tempo...
    beijinho!

    ResponderExcluir
  2. não dizer nada é muito, metafisicamente falando


    abraço

    ResponderExcluir
  3. Jorge amigo, lembre-se, que o tempo dos homens não é o mesmo tempo dos anjos... :-)

    Assis, dizer em silêncio então... ;-)

    Abraços aos dois!

    ResponderExcluir
  4. o silêcnio diz sempre tanto...às vezes até demais.
    podes ir buscá-lo aqui:http://www.youtube.com/watch?v=4xDFWlOXio0&feature=player_embedded
    beijo

    ResponderExcluir
  5. Márcia,
    Que boa surpresa te descobrir por ter sido descoberto por você. Já comecei a ler e já sou seu seguidor.
    Que belo poema e que belo final:
    "ainda que se precise da eternidade
    para esquecer..."
    Gostei muito, voltarei mais. Te convido a aparecer mais, também. Adorei a visita. Siga-me, também. Dupla perseguição poética! (rs...)
    Beijo grande ou, como você prefere, ósculos e amplexos, ainda que complexos.

    Ivan Bueno
    blog: Empirismo Vernacular
    www.eng-ivanbueno.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Obrigada pela visita Ivan! Sê bem-vindo sempre!
    Faz deste porto teu tbm...
    Em tempo, hei de visitá-lo, teus escritos são de plena qualidade, e a poesia sempre abrindo portas tais...

    Amplexos mais!

    ResponderExcluir
  7. "ainda que se precise da eternidade
    para esquecer..."

    Amar se aprende amando, já dizia o poetinha...

    Pedro Saulo

    ResponderExcluir

Olá, fico feliz que estejas aqui! Agradeço por deixar um aceno, uma palavra, um pontinho que seja da tua opinião.
Faz deste cantinho teu também e volta, sempre! Deixo um beijo, com sorriso... Márcia Magalhães