Quem sou eu

Minha foto
São Paulo, SP, Brazil
A poesia é água cristalina, sacia a sede, alimenta o espírito. Já não posso mais dizer se ela quem me habita ou o contrário. Como explicar sobre? A escrita é uma lâmina afiada, um vulcão, ou apenas ilha de águas mornas, banha pés descalços... Nunca quis definir a poesia, melhor esquecer-se das explicações. Escrever passou a ser janela exposta, que por hora, mantêm-se aberta ao mundo de quem lê. *** Mineira/Paulistana/ Poeta, Escritora, Administradora de Empresas, Pós Graduada em Gestão Empresarial. Laureada com o III Prêmio Canon de Literatura e Poesia em 2010. Márcia Christina Lio Magalhães é Sócia-Fundadora da Academia de Letras Juvenal Galeno, onde ocupa a Cadeira nº 10. Diretora de Relações Culturais da ALJUG. Membro da ACE - Associação Cearense de Escritores. Este Blog é dedicado a todos os amantes da poesia e que possamos através dela, unir horizontes, atravessar oceanos, iluminar os corações, alegrar os solitários, apaziguar a alma, multiplicar as amizades, eternizar as emoções. Sejam bem vindos!*** Livros Publicados: POETAR É PRECISO - 1° edição 2010 ** A PELE QUE HABITO - 1° edição 2013.

15 de abr de 2010

A Vida



A vida é passarinho, meiga doce
É deserto, sal, sol radiante
É verso, rocha, diamante
Olhar desconfiado, indecisão...

A vida é sombra, água fresca
É cama de corola, pedra sabão
A vida é casarão, rua de terra
É lâmina afiada, é solidão...

A vida é horizonte, praia deserta
É neve, urso, barco, indagação
A vida é cachoeira, é fogo em brasa
É bolo de fubá, café com pão

A vida é um pontinho na imensidão
Um céu de brigadeiro, gotas de orvalho
É palco imaginário do coração
de um poeta solitário...

(Márcia Christina Lio Magalhães)

18 comentários:

  1. "A vida é um pontinho na imensidão
    Um céu de brigadeiro, gotas de orvalho
    É palco imaginário do coração
    De um poeta solitário..."

    Menina, esse dom ninguêm lhe tira!!

    abraço!

    Pedro Saulo

    ResponderExcluir
  2. Bellissima poesia...complimenti!!!

    Vito

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Pedro pela presença sempre oportuna!!

    E também tu amigo Vito, feliz em vê-lo por aqui vez por outra, todavia que tu atravessas oceanos pra me ler, o que muito me lisonjea...

    abraços aos dois! :-)

    ResponderExcluir
  4. E a vida é tanto que só a poesia é capaz de abarcar sua imensidão.

    Lindo, Márcia!

    Beijoca

    ResponderExcluir
  5. Tens razão Sylvia querida!
    Só mesmo a poesia para conceder-nos tantas possibilidades...

    beijokas!

    ResponderExcluir
  6. a vida é, não o que queremos que ela seja, mas antes aquilo em que, pela palavra, ela permite.
    Um beijinho!
    Belíssimo poema, querida Amiga Márcia!

    ResponderExcluir
  7. Obrigada Jorge por comentários tão francos e pela presença sempre bem-vinda!

    abraços...

    ResponderExcluir
  8. a vida é tudo aquilo que nomeaste e o resto que ficou contido nas reticências.
    ...
    pegando nas tuas imagens:

    a vida é
    um passarinho
    'em céu de brigadeiro'
    livre
    a voar.

    um relógio de sol
    dentro de nós
    o tempo a contar

    gotinhas de orvalho
    desordenadas
    em notas de canto
    para o meu medo espantar.

    a vida é.

    Em

    beijo

    ResponderExcluir
  9. "Um relógio de sol
    Em notas de canto
    A vida é..."

    Lindo Ema!! Obrigada por florear ainda mais este cantinho nosso!

    beijo!

    ResponderExcluir
  10. Tranquila, suave e melódica a sua poesia, Márcia Cristina. Bom saber que a poeta está feliz!

    Beijos
    Jorge

    ResponderExcluir
  11. uai - e não é que a menina escreve bonito!
    obrigada pela tua visita a meu blog.
    besos
    líria

    *

    ResponderExcluir
  12. Perfeita essa poesia, gostei muito. Inclusive da foto do Saira de 7 cores, fiz algumas fotos de um exemplar desses em Paraty, considero uma de minhas melhores fotos de aves.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Que bom que gostou amigo Jorge Sader, fiquei feliz...

    abraço!

    ResponderExcluir
  14. Obrigada tu Líria querida pela visita ilustre!
    Que bom que Pedrim o Ramúcio postou um poema lindo teu no blog e eu-que-te-achei- :-)

    Nelmar, essa foto "roubei" da net... cê sabe que olho esse passarinho e fico paralisada...me dá uma paz...
    Obrigada pela visita!

    beijos aos dois!

    Márcia

    ResponderExcluir
  15. Má,
    E o que é o poeta solitário senão um pontinho
    perdido e esquecido na imensidão??
    Lindo, lindo, lindo de viver o teu escrito!
    Amei!
    Aparece lá em casa! :-) Tem novidade!
    Beijos, com carinho e amizade,
    RO

    ResponderExcluir
  16. Bonitos, o poema e o passarinho. Que pássaro é?

    ResponderExcluir
  17. Nádia, obrigada pelo coments.

    Cê sabe menina que não tinha a menor ideia...
    Depois que meu amigo Nelmar mencionou aí acima é que tomei conhecimento desta espécie rara e linda do Brasil...

    Saira de 7 cores...

    Essa foto achei na net, lindo passarinho mesmo...

    Volta sempre!

    ResponderExcluir

Olá, fico feliz que estejas aqui! Agradeço por deixar um aceno, uma palavra, um pontinho que seja da tua opinião.
Faz deste cantinho teu também e volta, sempre! Deixo um beijo, com sorriso... Márcia Magalhães